sábado, 12 de março de 2011

HIV resistente em expansão


Casos de transmissão do vírus mais forte aumentam, em média, 38% ao ano na África.

O aumento da transmissão de um tipo de HIV mais resistente a medicamentos está preocupando a comunidade internacional. O tema foi discutido na 18ª Conferência sobre Retrovírus e Doenças Oportunistas, em Boston. Segundo um estudo da PharmAcess, fundação alemã que oferece tratamento da Aids na África subsaariana, os casos de transmissão do HIV resistente aumentam, em média, 38% a cada ano. No Brasil, a prevalência do “super-HIV” varia de 5% a 15%, segundo pesquisa coordenada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Segundo o estudo da Unifesp, os tipos de HIV resistentes encontrados nas amostras brasileiras são principalmente resistentes aos antirretrovirais básicos de primeira linha — indicados aos pacientes que iniciam o tratamento. Algumas regiões do Brasil têm prevalência mais alta do supervírus do que a média: em Salvador, 19,1% das transmissões recentes são do vírus resistente. Em Santos, correspondem a 12,8%. Já em Brasília, os casos provocados por vírus resistente a medicamentos representam 10,6%.


Para minimizar o risco de desenvolvimento e multiplicação deste tipo de HIV mais resistente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que os centros de saúde acompanhem os pacientes em tratamento contra Aids para incentivar a adesão ao tratamento, o que diminui o risco do vírus se tornar resistente. A organização recomenda ainda que não haja interrupção da distribuição de medicamentos.

Nenhum comentário: