sábado, 12 de março de 2011

HIV resistente em expansão


Casos de transmissão do vírus mais forte aumentam, em média, 38% ao ano na África.

O aumento da transmissão de um tipo de HIV mais resistente a medicamentos está preocupando a comunidade internacional. O tema foi discutido na 18ª Conferência sobre Retrovírus e Doenças Oportunistas, em Boston. Segundo um estudo da PharmAcess, fundação alemã que oferece tratamento da Aids na África subsaariana, os casos de transmissão do HIV resistente aumentam, em média, 38% a cada ano. No Brasil, a prevalência do “super-HIV” varia de 5% a 15%, segundo pesquisa coordenada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Segundo o estudo da Unifesp, os tipos de HIV resistentes encontrados nas amostras brasileiras são principalmente resistentes aos antirretrovirais básicos de primeira linha — indicados aos pacientes que iniciam o tratamento. Algumas regiões do Brasil têm prevalência mais alta do supervírus do que a média: em Salvador, 19,1% das transmissões recentes são do vírus resistente. Em Santos, correspondem a 12,8%. Já em Brasília, os casos provocados por vírus resistente a medicamentos representam 10,6%.


Para minimizar o risco de desenvolvimento e multiplicação deste tipo de HIV mais resistente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que os centros de saúde acompanhem os pacientes em tratamento contra Aids para incentivar a adesão ao tratamento, o que diminui o risco do vírus se tornar resistente. A organização recomenda ainda que não haja interrupção da distribuição de medicamentos.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Remédio não é antídoto contra a ressaca !!!!!


Médicos alertam sobre o risco à saúde do folião que recorre a medicamentos.

Engana-se quem pensa que os medicamentos de venda livre — que não precisam de receita e têm o consumo aumentado em 40% durante o Carnaval — são a solução para todas as ressacas. Especialistas alertam: remédio não cura o mal estar de quem exagera nas bebidas alcoólicas durante a folia. Pelo contrário, o uso não orientado de analgésicos, antiácidos e remédios para enjoo é perigoso para quem ainda pretende aproveitar a Festa de Momo.

“Não existe medicamento contra ressaca. Os que prometem acabar com o problema são, na verdade, uma mistura de anti-histamínico, analgésico e antiácido. Isto não elimina o mal, somente alivia os sintomas”, afirma o clínico Marcos Benchimol.

Segundo o profissional, fazer uso desses remédios sem orientação médica pode causar irritação no estômago e arritmias cardíacas. Em alguns casos, pode até mascarar alguma enfermidade desconhecida pelo paciente.
“Medicamentos injetáveis para enjoo, por exemplo, podem causar agitação psicomotora, inquietação, alterações no batimento cardíaco, o que, em pessoas que já apresentam estes problemas, é potencialmente grave”, diz Benchimol. “Entre os não injetáveis, o risco é menor devido à absorção mais lenta da substância pelo organismo”, afirma o profissional, ressaltando que os analgésicos também podem ser perigosos se consumidos em excesso.

Já a farmacêutica Dafne Estevão destaca que é preciso conhecer a origem do mal-estar antes de utilizar os medicamentos. As dores de cabeça da ressaca, por exemplo, podem ser causadas por uma sobrecarga do fígado. Nesse caso, se o folião tomar mais de uma dose de analgésico de uma só vez ou em pouco espaço de tempo, os efeitos colaterais do medicamento podem ser potencializados.

“Dor de cabeça é algo muito incômodo, mas tomar dois remédios de uma só vez não dobra o efeito positivo da droga. Pelo contrário, a dor pode não passar e ainda agravar o problema: pode haver episódios de vômito e náuseas”, afirma Dafne.