sábado, 9 de janeiro de 2010

Cuidado com as viroses de verão


Nesta época aumentam os casos como os de gastroenterite, que causa intenso mal-estar. Saiba como se prevenir.
A estação mais quente do ano é marcada pelo aumento do número de casos de gastroenterites — viroses que atacam, principalmente, a parte intestinal. Neste verão, o atendimento a pacientes com os principais sintomas — febre, vômito e diarreia — subiu 20%, de acordo com a Secretaria estadual de Saúde.
Segundo Renato de Azevedo Vieira, coordenador de pediatria das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), as crianças são as mais vulneráveis ao vírus por terem sistema imunológico em desenvolvimento. A faixa de 2 a 3 anos é a mais atingida. Segundo ele, a doença dura de quatro a cinco dias e o tratamento é feito com a ingestão de líquido e soro.
“É preciso ficar atento principalmente aos alimentos consumidos na praia. Muitos não são bem conservados ou não foram feitos com higiene”, diz.
Há três dias, Lucas Nascimento, 6 anos, está com vômito e diarreia. Segundo a avó do menino, Francisclara do Nascimento, 60, outras pessoas da família foram infectadas e o médico receitou a ingestão de líquidos para todos. “Eu e meu marido estamos ficando doentes também. Os sintomas aparecem do nada e são bastante incômodos”, conta.
Na rede federal, o Hospital do Andaraí apresentou crescimento de 10% nos atendimentos a gastroenterites. A Secretaria Municipal de Saúde não registrou aumento.
Vieira explica ainda que, apesar de os sintomas serem os mesmos, nem todos as viroses são causados pelo rotavírus. Nesse caso, a doença se manifesta de forma mais intensa e requer internação. Através de exame de fezes é possível fazer o diagnóstico preciso.
“Há o caso de pessoas que contraem infecção alimentar e acham que se trata de virose. Os sintomas são parecidos, mas o tratamento é feito com antibiótico e o contágio é menor”, conclui. A Secretaria estadual de Saúde informou que durante o ano passado foram confirmados três casos desse tipo de infecção. A vacina contra o rotavírus é disponibilizada pelo Ministério da Saúde e deve ser tomada em duas doses por bebês, aos 2 e 4 meses.
ATENÇÃO
SINTOMAS: Vômito,febre,diarreia,desidratação,menor quantidade de urina e de lágrimas,menos brilho nos olhos,abatimento,pouca saliva na boca,dores abdominais
PREVENÇÃO:Ter atenção à qualidade da água consumida. Evitar comer alimentos preparados na rua sem a higiene necessária.Evitar locais com aglomerações de pessoas e optar por passeios ao ar livre.Manter as mãos limpas.Evitar o compartilhamento de objetos pessoais.Beber muito líquido.Evitar contato com pessoas doentes.Vacinar as crianças nos primeiros meses de vida .
TRATAMENTO:Ingestão de soro caseiro (uma colher de chá de açúcar e uma pitada de sal).Ingestão de água, além de bebidas isotônicas, sucos de maçã, à base de soja e água de coco para evitar a ocorrência da desidratação.Aplicação de soro na veia.Analgésicos para aliviar as dores abdominais.Antitérmicos para diminuir a febre.

Um comentário:

hestherpa disse...

Bom vou ver se dar certo pra falar com a minha mãe.