domingo, 24 de janeiro de 2010

‘Ração humana’ contra gordurinhas no Carnaval

A aparência não é das melhores, muito menos o cheiro. O nome então... Mas a ração humana, criada há cerca de três anos no Brasil, venceu o preconceito e conquistou de vez os cariocas neste verão, sejam eles gordinhos, sarados ou apenas curiosos. Afinal, a mistura tem compostos que prometem baixar o colesterol ruim, diminuir os sintomas da menopausa, fornecer proteína, vitaminas e minerais e ainda reduzir o peso em até 10 quilos em um mês. Ufa!

Mas, como qualquer composto alimentar que se preze, este também não faz milagres. “A ração humana é um alimento completo porque tem carboidratos, vitaminas, ácidos graxos Ômega 3, fibras e minerais. Para quem pretende emagrecer, ela deve ser usada como complemento alimentar, aliada a dieta e exercícios regulares. Mas não há contraindicação, desde que seja respeitado o limite de substituir até duas refeições por dia”, explica a nutricionista e ‘personal diet’ Priscila Meirelles.
A atriz Gyselle Soares, 26 anos, provou e aprovou a novidade. Segundo ela, além dos cinco quilos perdidos no primeiro mês, melhoraram também a qualidade de seus cabelos, que passaram a cair menos e a brilhar mais, e das unhas, que já não estão quebradiças. “Eu retenho muito líquido e a ração está me ajudando com isso, era realmente o que eu estava procurando e não conhecia, é incrível”, diz a ex-BBB, que virá no Carnaval como musa da Renascer de Jacarepaguá.

A festa de Momo, aliás, é o motivo que levou nove entre 10 usuários a experimentar a ração neste início de ano, o que explica o boom nas vendas no período (com o grande número de marcas e a possibilidade de a ração ser feita em casa, não há números exatos sobre as vendas, mas fabricantes e lojistas confirmam o aumento). As amigas de infância Fernanda Damásio e Roberta Caliman, ambas de 25 anos, começaram a usar o produto depois de tentar várias dietas desde julho, quando compraram passagens para curtir o feriado em Salvador. Agora, há uma semana consumindo a ração, garantem que já sentem o efeito nas roupas mais largas e depositam na mistura esperança de abalar na Bahia.
“Fazemos dieta desde que nos conhecemos por gente e nunca deu certo. Mas no começo assustava o nome, achava que era igual a ração de cachorro. Não tem nada a ver. Não é gostoso, mas misturo com iogurte e nem dá para sentir”, jura Fernanda.
COMO FAZER:

200 g de gérmen de trigo,200 g de farinha de linhaça,200 g de farelo de aveia,150 g de extrato de soja (sem açúcar)100 g de semente de gergelim (com casca)100 g de quinoa em flocos,50 g de gelatina em pó sem sabo,50 g de levedo de cerveja em pó,50 g de cacau em pó,50 g de farinha de maracujá.

Modo de preparo: Bata os ingredientes no liquidificador e acondicione a mistura em potes de plástico ou vidro, guardando-os em local seco e arejado.

domingo, 17 de janeiro de 2010

Receita simples que salva vidas


O pequeno Breno de Souza Santana não conheceu Zilda Arns, fundadora e coordenadora internacional da Pastoral da Criança, morta no terremoto do Haiti, mas uma receita criada pela pediatra mudou sua vida. Breno, de 4 anos, era uma criança apática, que passava os dias deitada no sofá, até que começou a ter suas refeições complementadas pela multimistura — uma combinação de sementes, folhas, farelos e frutas. Em 25 anos, a receita salvou milhões de brasileirinhos da desnutrição.
“Meu filho não tinha vontade de brincar. Eu estava desesperada. Depois que ele começou a ter a alimentação complementada pela farinha, ganhou 5 quilos, passou a brincar e correr como um menino da idade dele”, diz Silvânia Souza, 27.
Segundo a nutróloga Tamara Mazaracki, a multimistura é rica em carboidratos, proteína e gorduras, que são fundamentais para o crescimento, ganho de peso e nutrição das crianças. “Muitas vezes, os pais não têm condições de oferecer uma refeição completa. Mesmo quando dão arroz, feijão e uma carne, isso ainda é uma dieta pobre para uma criança”.
O complemento alimentar, que deve ser misturado à refeição ou ao leite, pode ser feito em cooperativas ou em casa. Além das sementes, folhas, farelos e frutas, é acrescentado óleo para aumentar a recuperação dos desnutridos. “Criança desnutrida gasta mais calorias do que consome”, diz Tamara.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Cuidado com as viroses de verão


Nesta época aumentam os casos como os de gastroenterite, que causa intenso mal-estar. Saiba como se prevenir.
A estação mais quente do ano é marcada pelo aumento do número de casos de gastroenterites — viroses que atacam, principalmente, a parte intestinal. Neste verão, o atendimento a pacientes com os principais sintomas — febre, vômito e diarreia — subiu 20%, de acordo com a Secretaria estadual de Saúde.
Segundo Renato de Azevedo Vieira, coordenador de pediatria das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), as crianças são as mais vulneráveis ao vírus por terem sistema imunológico em desenvolvimento. A faixa de 2 a 3 anos é a mais atingida. Segundo ele, a doença dura de quatro a cinco dias e o tratamento é feito com a ingestão de líquido e soro.
“É preciso ficar atento principalmente aos alimentos consumidos na praia. Muitos não são bem conservados ou não foram feitos com higiene”, diz.
Há três dias, Lucas Nascimento, 6 anos, está com vômito e diarreia. Segundo a avó do menino, Francisclara do Nascimento, 60, outras pessoas da família foram infectadas e o médico receitou a ingestão de líquidos para todos. “Eu e meu marido estamos ficando doentes também. Os sintomas aparecem do nada e são bastante incômodos”, conta.
Na rede federal, o Hospital do Andaraí apresentou crescimento de 10% nos atendimentos a gastroenterites. A Secretaria Municipal de Saúde não registrou aumento.
Vieira explica ainda que, apesar de os sintomas serem os mesmos, nem todos as viroses são causados pelo rotavírus. Nesse caso, a doença se manifesta de forma mais intensa e requer internação. Através de exame de fezes é possível fazer o diagnóstico preciso.
“Há o caso de pessoas que contraem infecção alimentar e acham que se trata de virose. Os sintomas são parecidos, mas o tratamento é feito com antibiótico e o contágio é menor”, conclui. A Secretaria estadual de Saúde informou que durante o ano passado foram confirmados três casos desse tipo de infecção. A vacina contra o rotavírus é disponibilizada pelo Ministério da Saúde e deve ser tomada em duas doses por bebês, aos 2 e 4 meses.
ATENÇÃO
SINTOMAS: Vômito,febre,diarreia,desidratação,menor quantidade de urina e de lágrimas,menos brilho nos olhos,abatimento,pouca saliva na boca,dores abdominais
PREVENÇÃO:Ter atenção à qualidade da água consumida. Evitar comer alimentos preparados na rua sem a higiene necessária.Evitar locais com aglomerações de pessoas e optar por passeios ao ar livre.Manter as mãos limpas.Evitar o compartilhamento de objetos pessoais.Beber muito líquido.Evitar contato com pessoas doentes.Vacinar as crianças nos primeiros meses de vida .
TRATAMENTO:Ingestão de soro caseiro (uma colher de chá de açúcar e uma pitada de sal).Ingestão de água, além de bebidas isotônicas, sucos de maçã, à base de soja e água de coco para evitar a ocorrência da desidratação.Aplicação de soro na veia.Analgésicos para aliviar as dores abdominais.Antitérmicos para diminuir a febre.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Pele linda e saudável sob o sol


O planeta está prestes a virar um caldeirão. Dados recentes sobre emissões de gases do efeito estufa indicam que a Terra esquentará mais seis graus neste século. Com isso, alertam médicos, os cuidados com a pele devem ser ainda mais intensos, pois o risco de câncer aumenta com a maior exposição ao sol. A doença registra 24,7% de todos os tumores malignos do Brasil.
O biólogo Celso Sanchez, professor da Uni-Rio, explica que as substâncias despejadas se acumulam na atmosfera, formando uma espécie de “panela de pressão”. “Nos últimos 150 anos o homem passou a jogar uma série de gases tóxicos na atmosfera, que vêm das queimadas, queima de combustíveis fósseis, entre outros fatores”, diz. Mas o cuidado com a pele não acompanhou este processo. Cerca de 70% dos cariocas não sabem usar o protetor solar corretamente, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SDB).