segunda-feira, 29 de junho de 2009

Claudia Leitte estrela campanha de aleitamento materno do Ministério da Saúde



Claudia Leitte é a mais nova estrela da Campanha de Aleitamento Materno do Ministério da Saúde.
A cantora posou para fotos e gravou o comercial ao lado do filho, Davi, de 5 meses. É a segunda vez que a cantora participa de uma campanha do Ministério. A primeira foi na última fase da Campanha de Vacinação contra a Rubéola.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Ouvido de super-heroína


Ciência comprova que mães ouvem choro dos bebês mesmo em ambientes barulhentos.
Quando Gabriele, 15 dias, começa a chorar, a mãe, Raquel Ellen Bastos, 27 anos, não consegue ouvir mais nada: só quer dar conforto à filha. Mas o ouvido aguçado não é privilegio de Raquel. Pesquisa da Emory University, em Atlanta (Estados Unidos), sugere que, quando um bebê chora, o cérebro da sua mãe é capaz de diminuir o “volume” de todo o resto do ambiente.
Se as outras luzes do palco estão todas acesas, o refletor não destaca tanto o artista. Mas, se está tudo na escuridão, o mesmo refletor destaca o cantor”, compara o pesquisador Robert Liu, que participou do estudo. “Há uma redução na atividade das áreas do córtex auditivo que não estão direcionadas especificamente para o chamado do filhote”.
Durante o estudo, cientistas utilizaram fêmeas de camundongo com e sem filhotes. Eles gravaram o chamado de filhotes, exibiram para todas elas e observaram a atividade cerebrais. As áreas relacionadas à frequência dos gritos dos filhotes ficaram ativas nos dois grupos. Entretanto, o restante do córtex auditivo das camundongos- mães se “apagou” com mais intensidade e durante mais tempo.
Pesquisadores explicam que isso ajuda a mãe a reconhecer os chamados de um bebê mesmo que num ambiente muito barulhento.
De acordo com Liu, ainda não se sabe como ocorrem tais mudanças no cérebro materno — mas provavelmente hormônios o reprogramam para ‘desligar’ com mais facilidade áreas auditivas não utilizadas para escutar bebês.

sábado, 20 de junho de 2009

Oito milhões de crianças foram vacinadas contra a poliomielite, segundo balanço parcial


O balanço parcial da primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, divulgado pelo Ministério da Saúde, indica que 8.007.284 crianças menores de cinco anos receberam a vacina neste sábado em todo o país - uma cobertura de 51,68% da meta, que é imunizar 14,7 milhões de crianças.Os dados parciais foram enviados pelas secretarias estaduais e municipais de Saúde até as 17h. De acordo com nota do ministério, as informações projetam o cumprimento da meta da campanha de vacinar 95% de toda a população nessa faixa etária (15,5 milhões).
As secretarias vão continuar atualizando os dados nas próximas semanas. A segunda etapa da vacinação será no dia 22 de agosto.Com o slogan "Não dá pra vacilar. Tem que vacinar", a campanha recebeu R$ 46 milhões em investimentos do Ministério da Saúde. Deste total, R$ 21,8 milhões foram usados para compra das vacinas, R$ 13,2 milhões foram transferidos para os fundos estaduais e municipais de Saúde e R$ 11 milhões foram investidos em ações de comunicação e publicidade para as duas fases da campanha. Ao todo, 115 mil postos de vacinação participaram da primeira etapa da campanha, com o trabalho de cerca de 350 mil pessoas e a utilização de 40 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais."Atualmente, a importância da vacina é manter o país livre da circulação do vírus. As gotinhas não têm contraindicações. A aplicação não provoca dor e a vacina é a única forma de prevenir a doença", explicou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, Maria Arindelita Arruda.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

OMS eleva o nível de alerta e gripe suína agora é pandemia


Vírus H1N1 já se espalhou por 74 países e Brasil tem 52 casos!!!!!!!

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que o mundo vive uma pandemia de gripe, a primeira do século 21. O organização tomou a decisão de aumentar para 6 o nível de alerta contra a epidemia — o último da escala — devido à expansão geográfica do vírus que já tem transmissão sustentada entre humanos em países fora da América do Norte, a primeira região afetada, como a Austrália, Chile e países europeus.

“Pandemia significa extensão do vírus. Mas um nível de alerta pandêmico não significa que vamos ver vírus mais perigoso ou que muita gente vai cair gravemente doente”, disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan. “Para nós, o mais preocupante é que não sabemos como o vírus se comportará nas condições do mundo em desenvolvimento, onde os sistemas de alarme e de atendimento sanitário sofrem graves deficiências”, disse. Chan afirmou que trata-se de uma epidemia moderada, mas admitiu não ser possível prever a evolução da doença, que desde abril já infectou 28.774 pessoas em 74 países, deixando 144 mortos. Essa será a primeira pandemia oficial declarada desde 1968, quando surto de gripe causou a morte de mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo.“O vírus é imprevisível. A gravidade moderada que observamos nesses primeiros dias pode variar por diversos fatores, mas não podemos prever um aumento espetacular de casos mortais”, afirmou Chan.

BRASIL SOB CONTROLE

Após o alerta, o Ministério da Saúde garantiu que, no Brasil, a “situação esta totalmente sob controle”. A ministra interina, Márcia Bassit, afirmou que o anúncio da pandemia “não implicará em mudanças” na estratégia brasileira. “A população pode ficar tranquila. O país esta preparado. O governo continua atento para a vigilância, a elaboração de diagnósticos e tratamento. Continuamos vigilantes em portos, aeroportos e em toda a fronteira”. O Brasil tem 52 casos confirmados em oito estados. Vacina deve ficar pronta em setembro



sexta-feira, 5 de junho de 2009

Segurança para a malhação


Ao escolher academia, é importante checar se há equipamentos e professores treinados para emergências médicas !!!!
Um desfibrilador, equipamento capaz de restabelecer o ritmo cardíaco, e um professor treinado para usá-lo salvaram a vida de um aluno da academia Velox Fitness, na Lagoa, segunda-feira. Como o Informe do DIA noticiou ontem, ele teve uma parada cardíaca enquanto se exercitava.
O destino do aluno, um médico que teve a parada cardíaca revertida em três minutos, poderia ter sido outro. No estado não há lei que regulamente quais equipamentos uma academia deve ter para esse tipo de emergência médica.
“A preocupação maior do aluno deve ser com a segurança da academia. Não tenho dúvidas de que todas deveriam ter desfibrilador em local acessível e pessoa treinada para usá-lo e dar suporte de vida básico em cada turno de funcionamento. Essas são perguntas que o aluno deve fazer antes de se decidir entre uma academia ou outra”, alerta o diretor-geral do Instituto Nacional de Cardiologia, Marco Antonio de Mattos.
O cardiologista recomenda ainda exame detalhado antes de iniciar exercícios. “A pessoa deve passar por avaliação cardiovascular porque há doenças que aumentam o risco de parada cardiorrespiratória durante exercício físico. Além da investigação da história do paciente, deve ser feito eletrocardiograma e, em alguns casos, um teste de esforço”, afirma.