segunda-feira, 27 de abril de 2009

Orientações do Ministério da Saúde para prevenir a gripe suína


O Ministério da Saúde divulgou comunicado informando que até o momento, não há evidências da circulação do vírus da influenza suína em humanos no Brasil. Além disso orienta a população a tomar alguns cuidados para prevenir a doença e em especial no caso de viagens para os locais onde o problema é mais grave, como México e Estados Unidos. - A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde foi notificada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo da existência de dois viajantes brasileiros procedentes do México, que desembarcaram no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, e apresentaram alguns sintomas de doença não definida.- Os dois casos estão sendo investigados para identificar a causa do quadro clínico, mas NÃO ATENDEM à definição de caso suspeito de influenza suína por não apresentarem sinais e sintomas compatíveis com a doença: febre acima de 39ºC, acompanhada de tosse e/ou dores de cabeça, musculares e nas articulações.- Foi instituído nos aeroportos brasileiros o monitoramento dos viajantes procedentes das áreas afetadas. A Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA), documento de preenchimento obrigatório, está sendo retida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para eventual busca de contatos se for detectado caso suspeito. O documento contém informações relativas à saúde do viajante.- Neste domingo, começaram a ser veiculados avisos sonoros nos cinco aeroportos que recebem voos internacionais procedentes do México e dos Estados Unidos, principais países afetados pela influenza suína. Os avisos, contendo informações sobre sinais e sintomas e orientações aos viajantes, estão sendo veiculados nos aeroportos internacionais de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Manaus e Fortaleza.- Todas as providências estão sendo adotadas para que as tripulações das aeronaves orientem os passageiros, ainda durante o voo, sobre sinais e sintomas da influenza suína. Passageiros com os sintomas deverão se identificar à tripulação e receberão orientações da ANVISA no aeroporto de desembarque.- Pessoas procedentes de áreas afetadas, nos últimos 10 dias, que apresentarem os sinais e sintomas acima descritos devem procurar a unidade de saúde mais próxima. Viajantes com destino às áreas afetadas devem estar atentos às recomendações dos governos locais.Aos viajantes que se destinam às áreas afetadas:· Usar máscaras cirúrgicas descartáveis, durante toda a permanência em áreas afetadas. Substituir as máscaras sempre que necessário.· Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável.· Evitar locais com aglomeração de pessoas.· Evitar o contato direto com pessoas doentes.· Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.· Evitar tocar olhos, nariz ou boca.· Lavar as mãos freqüentemente com sabão e água, especialmente depois de tossir ou espirrar.· Em caso de adoecimento, procurar assistência médica e informar história de contato com doentes e roteiro de viagens recentes a esses países.· Não usar medicamentos sem orientação médica.- Não existe vacina contra esse vírus de influenza suína, responsável por essa Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional.- A vacina utilizada na Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, que está sendo realizada nesse momento no Brasil, direcionada à população com mais de 60 anos, destina-se somente a proteção contra a influenza sazonal e não protege contra a influenza suína. A Campanha segue normalmente até o próximo dia 8 de maio.- Desde 25 de abril de 2009, foi instituído o Gabinete Permanente de Emergência, no Centro de Informações Estratégicas e Respostas em Vigilância em Saúde (CIEVS) da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS), para monitorar a situação e indicar as medidas adequadas ao país. Formado por representantes do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o grupo se reúne diariamente, em Brasília.- As Coordenações Estaduais de Vigilância em Saúde foram orientadas para notificar imediatamente a ocorrência de casos suspeitos ao Ministério da Saúde e recomenda-se aos profissionais de saúde das redes pública e privada que estejam atentos para a notificação de possíveis casos suspeitos.- Com relação à sanidade animal, no Brasil, não há suspeita ou registro de gripe suína causada pelo mesmo agente identificado nas áreas afetadas. Além disso, o consumo de produtos de origem suína não representa risco à saúde das pessoas.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Pacientes sofrem com obra sem fim

Nova sede do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia só abre em 2010!!!

Anunciada como solução para diminuir o tempo de espera por cirurgias, a obra da nova sede do Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia), com término inicialmente previsto para fim de 2008, só será concluída em junho de 2010. Enquanto isso, pacientes enfrentam uma espera que pode durar anos na fila.
Vitor Cordeiro dos Santos, 8 meses, é um deles. Nascido com doença congênita nos pés, espera por cirurgia desde novembro. Segundo o pai, André Luís Bezerra da Silva, não há previsão para cirurgia. Como o bebê é alérgico a gesso, a cirurgia reparadora é a única forma de reverter o problema.
“Vitor chegou a usar gesso por dois meses, mas sua perna ficava em carne viva. O médico decidiu então operar, mas não há vaga. É muito triste ver meu filho tentar ficar em pé e não conseguir se equilibrar. Tenho medo que fique tarde demais, pois a fila não anda”, lamenta.
Roberto Pereira Bahia, 36, espera há um ano e dois meses. Ele quebrou o quadril no início de 2008 e, após passar por diversas unidades, foi encaminhado ao Into. Segundo sua mãe, Juciara Bahia, 50, o quadro se agrava cada semana e já atingiu pernas e coluna. Ela registrou o caso na 5ª DP (Centro). “Se continuar assim, ele vai ser obrigado a amputar a perna”, reclama.
O Into informou que há 22 outras crianças na frente de Vitor na fila para este tipo de cirurgia de pé, e que o tempo de espera é de cerca de um ano. E que Roberto, que encontra-se em tratamento de artrose reumática do quadril, teria contraído infecção que impossibilita a cirurgia no momento.
BUROCRACIA
Com a nova sede, informa o Into, serão criados 23 novos centros de tratamentos específicos, e o número de salas cirúrgicas passará de 8 para 21. Com isso, o número anual de cirurgias aumentará de 6 mil para quase 20 mil. A construção de um Centro de Reabilitação dará condições, ainda, para que 86 mil consultas de reabilitação sejam feitas por ano.
A demora nas obras na Avenida Brasil, em São Cristóvão, se deve à burocracia. O projeto inicial previa apenas a reforma e adaptação de prédio já existente. Mas foi feito outro projeto para a construção de novos edifícios, já que a Companhia Docas do Rio de Janeiro cedeu terreno de 16 mil m². Com isso, as obras só começaram em junho de 2008 e a empresa contratada tem até dois anos para finalizá-las.

domingo, 19 de abril de 2009

Grávida morta durante assalto em Maria da Graça


Uma enfermeira grávida de 7 meses morreu após ser baleada na cabeça em assalto, em Maria da Graça, Zona Norte do Rio, na noite deste sábado. Levada para o Hospital Salgado Filho, no Méier, ela foi submetida a uma cesariana e a criança foi salva. O bebê foi transferido para a maternidade Carmela Dutra e internada na UTI neonatal. O marido da vítima dirigia o carro.
Segundo informaçõs da Polícia, Leslie Estanho de Lima da Vitória, 35 anos, estava no banco do carona do Renault Clio. Quando o carro parou em um sinal, na descida do viaduto de Del Castilho, próximo à Favela do Jacarezinho, dois bandidos em uma moto ordenaram que o casal saísse do veículo. Quando o marido abriu a porta, um dos bandidos se assustou e disparou um tiro, que tiro atingiu o rosto da mulher e saiu pela nuca. Ela foi socorrida pelo marido e levada para o Hospital Salgado Filho, no Méier, mas não resistiu ao ferimento. Segundo informações do hospital, o bebê passa bem. Morador do Méier, o casal voltava de um shopping, onde tinha ido comprar móveis e roupas para o bebê. Eles estavam juntos há oito meses e há quatro casaram. A enfermeira estava de licença do trabalho. O caso foi registrado na 4ª DP (Inhaúma). No final da noite, policiais do 3º BPM (Méier) fizeram buscas próximo à Favela do Jacarezinho e houve confronto com bandidos, mas ninguém se feriu ou foi preso.

sábado, 11 de abril de 2009


Médicos recomendam que crianças bebam mais água e sucos e evitem gorduras e doces dias após comerem muito chocolate!!!!!!
Mais difícil do que controlar o desejo por chocolate na Páscoa é convencer uma criança que a guloseima deve ser consumida com moderação. Mas a batalha não está perdida: é possível evitar que a data se acabe no posto médico. Segundo especialistas, já que limitar a quantidade de chocolate não é tarefa simples, uma boa dica é reduzir a oferta de alimentos gordurosos e muito açucarados.
Ana tenta controlar, mas Júlia acaba comendo muito chocolate.
“Os chocolates, principalmente os ao leite, que são os preferidos das crianças, já têm muito açúcar e gordura. Por isso, é importante que a criança tenha uma alimentação magra e não coma biscoitos, refrigerantes e outros doces pelo menos nos dias em que for comer chocolate. Batata frita nem pensar”, recomenda a nutróloga Tamara Mazaracki, acrescentando que o excesso pode promover ganho de peso, diarreias, náuseas e vômitos.

domingo, 5 de abril de 2009

Um milagre de Deus e da Ciência


Gêmeas dividiam sistema circulatório, mas só uma tinha coração e podia sobreviver. Cirurgia de alto risco, no útero da mãe, salvou o bebê.
Maria Clara se põe a agitar pés e mãos minúsculos assim que Cirlene chega perto da incubadora. Aos 40 dias de vida, ela já reconhece, feliz, a mãe. A mulher suspira profundamente e sorri: está diante de um milagre — de Deus e da Ciência. Com 890 gramas de peso, e nascido três meses antes do tempo, aquele pequeno ser humano tem a força de um gigante.A gravidez de Cirlene Miranda, 37 anos, dona de salão de beleza, foi de altíssimo risco. Eram duas meninas em seu ventre, dividindo o mesmo sistema circulatório. Somente Maria Clara tinha coração, que precisava trabalhar por dois para ela ter alguma chance de sobreviver. Ele bombeava o sangue para seu próprio corpo e o da irmã, que era maior, e não teria como sobreviver fora do útero. “Desde que foi gerada ela já mostrava sua força... Já ensinava o que é a superação, a vontade de viver”, emociona-se a mãe. Diagnosticado o problema, equipe da Clínica Perinatal, em Laranjeiras, realizou cirurgia, dentro do útero, em que um ‘tiro de laser’ destruiu o vaso sanguíneo que unia os bebês. “A cirurgia é delicada porque o ‘bebê-bomba’ — que bombeia o sangue — tem 50% de chances de viver. Guiados por imagem de ultrassom, injetamos agulha na barriga da paciente, que serviu de passagem para a fibra ótica. Com o tiro, coagulamos o vaso de ligação na região do abdome do feto sem coração”, explica o cirurgião Renato Sá. Na Terça-feira de Carnaval, 24 de fevereiro, logo após ser separada da irmã, Maria Clara nasceu, com 710 gramas. Seu peso caiu para 505 gramas, até chegar ao atual. Durante a cirurgia — cerca de 40 minutos — Cirlene ficou acordada. “Eu não tive medo. Só rezava. Me agarrei na fé e me sinto mais fortalecida hoje. Aprendi com minha filha a ser resistente. Em meus sonhos, eu já desejava a Maria Clara. Deus tornou isso uma realidade de carne e osso para mim. Acreditei muito na competência dos médicos”, conta ela.“Eu tive que correr esse risco e faria tudo novamente. Enfrentei a cirurgia com a mesma força que minha filha teve para sobreviver”, revela. Segundo Sá, já houve dois mil nascimentos de bebês com a gestação atrelada a um feto sem coração no País, mas o número real pode ser bem maior. “Diversas mortes de ‘bebês-bomba’ poderiam ser evitadas se houvesse melhor acompanhamento no pré-natal. Se o problema for detectado antes, com uma ultrassonografia detalhada, aumentam em 80% as chances de sobrevivência da criança”, diz. A própria Cirlene só descobriu o problema no sexto mês de gestação. “Trabalho mais de 12 horas por dia e optei pela maternidade tardia. Valeu a pena cada superação desses meses. É impressionante pegar no colo um prematuro. No início foi assustador. Mas agora me sinto forte para cuidar da minha filha. Ela me ensinou a ser forte”, conta. O tempo de agonia deu lugar à espera ansiosa pelo dia em que a menina sairá da UTI Neonatal para ir para casa. Cada grama que a filha ganha é comemorada por Cirlene. Quando Maria Clara chegar a 2,2 kg, terá alta. E finalmente poderá conhecer o quarto lilás que a mãe está preparando para ela.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Testes reprovam pastas

Cremes dentais que prometem clarear os dentes não surtiriam efeito, segundo pesquisa da Pro Teste. De sete produtos avaliados, apenas dois apresentaram resultados satisfatórios!

Aquele sorriso com dentes claríssimos das propagandas de cremes dentais branqueadores pode não ter sido resultado do uso dos produtos. A conclusão é de estudo da Pro Teste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) com sete pastas representativas no mercado. O resultado mostra que apenas duas teriam realmente efeito clareador.
Foram feitos três mil movimentos circulares em amostras de dentes humanos — o que equivale à escovação de um mês. Um colorímetro mediu a cor dos dentes antes e depois do procedimento, para identificar se houve mudança.
O teste também demonstrou que essas pastas são mais abrasivas do que as comuns, o que pode gerar desgaste nos dentes e, em consequência, dores e hipersensibilidade. Marina Jakubowski, química da Pro Teste, recomenda que mesmo os produtos que realmente clareiam não sejam usados por muito tempo. “O ideal é utilizá-los por um mês e dar um tempo. Ou usá-los apenas em uma das escovações diárias”.
A Pro Teste analisou ainda a irritabilidade dos produtos, com teste feito numa mucosa construída a partir de células humanas com características semelhantes à boca. O resultado mostrou que a maioria dos cremes dentais danifica até 50% das células.
A GlaxoSmithKline (Aquafresh e Sensodyne) afirmou que ambas “são registrados na Anvisa” e que “não existem testes padronizados e específicos para determinar o branqueamento” e, ainda, que a empresa “possui testes internacionais realizados para comprovação do efeito branqueador”. A Procter & Gamble (Crest) disse ter cinco estudos clínicos, três deles realizados com mais de 1.500 pacientes no total, que mostram a ação de branqueamento. A Colgate-Palmolive não quis se pronunciar.