sábado, 28 de março de 2009

Joana Prado, grávida pela terceira vez, estreia programa na Internet


Joana Prado emite o brilho da felicidade. Pode parecer piegas, mas depois de meia hora ao lado da mulher que encarnou a personagem Feiticeira, símbolo sexual que abalou o Brasil no fim dos anos 90, é possível ter a certeza absoluta de que ela nasceu para ser mãe. Não é à toa que foi eleita apresentadora do programa ‘WTN Absoluta’ (www.wtn.com.br) — toda quarta-feira, a partir das 12h, na Internet —, que fala sobre o universo feminino e, principalmente, sobre gestantes. “Vamos focar bastante neste tema. Abordaremos desde a saúde na gravidez, passando pela alimentação e como se vestir. Em cada programa, convidaremos especialistas em assuntos diversos”.
No 7º mês da sua terceira gravidez — ela já é mãe de Davi, 4 anos, Vitória, 1, e agora espera Kyara, todos frutos do casamento com o lutador Vitor Belfort —, Joana não se arrepende do passado: “Mas jamais posaria nua de novo, nem faria fotos sensuais. Na verdade, nunca sonhei ser símbolo sexual, as coisas foram acontecendo. O que queria mesmo era vender sanduíche natural na Praia de Malibu”.
Convertida desde 2003, ela e a família frequentam a Igreja Batista da Barra todos os domingos. “Vitor já era convertido quando eu o conheci. Relutei um pouco, mas sempre tive conexão forte com Deus. Oro sempre antes de tudo que faço”, explica ela, contando que, graças à religião, aprendeu que ser submissa ao marido não quer dizer escravidão e, sim, companheirismo. “Passei a gostar de cozinhar e a cuidar da casa, por exemplo. E a fé em Jesus me permite levar melhor coisas monstruosas”.Monstruosidades tais como o desaparecimento, até hoje não desvendado, de sua cunhada, Priscila Belfort, em 2004. “Aconteceu logo depois do meu casamento. O desaparecimento é a pior dor que existe, pior até do que a morte”, desabafa. Mas a vida continua e Joana e Vitor fazem planos. Um deles deve ser concretizado até o fim do ano. “Vamos morar em Los Angeles. Para Vitor, é a melhor opção, já que todos os lutadores estão lá. E também morremos de medo da violência do Rio. Outro projeto é ter mais um filho, que será temporão”, confessa.Coincidência ou não, esta mudança combina com os desejos mais antigos de Joana. “Vou atrás do meu sonho americano de vender sanduíche natural na Califórnia”.

quinta-feira, 26 de março de 2009

DNA revela que britânico de 13 anos não engravidou jovem


Eastbourne (Inglaterra) - O garoto Alfie Patten, 13 anos, que ficou conhecido mundialmente após ter engravidado uma estudante de 14 anos quando tinha apenas 12, não é o pai da criança, segundo informações divulgadas pelo The Mirror nesta quinta-feira. O estudante resolveu fazer um teste de DNA depois que outros garotos disseram também ter dormido com Chantelle Stedman.O teste acabou provando que o garoto não é o pai de Maisie Roxanne, que tem 7 semanas. Segundo o Mirror, o resultado foi uma surpresa para Alfie, que ficou "devastado" com a notícia. Ele estava convencido de que era o pai de Maisie, depois de uma noite de sexo desprotegido com Chantelle, que hoje tem 15 anos.Antes do teste, segundo o diário britânico, ele disse: "Eu não sabia sobre testes de DNA, mas minha mãe me explicou que seria bom fazer para saber se eu era o pai ou não. Então eu faço, e todos poderão parar de falar". Chantelle ficou grávida quando tinha 14. Ela disse ter esquecido de tomar a pílula anticoncepcional.Na época, ela disse que "Alfie era o único garoto com quem havia estado". Alfie concordou. "Eu sou o único namorado que Chantelle teve e nós estamos juntos há dois anos. Eu devo ser o pai. Quando ela descobriu que estava grávida, eu perguntei, 'eu sou o pai?' e ela respondeu que sim, então eu acreditei", afirmou o garoto.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Transexual espanhol anuncia estar grávido de gêmeos

Um transexual espanhol, que nasceu mulher e decidiu ser homem, está agora grávido de gêmeos, informou a BBC BRasil. Rubén Noé, 25 anos, que nasceu Estefanía, manteve seus órgãos reprodutivos femininos. Segundo a imprensa espanhola, o desejo de se tornar pai sugiu de seu passado, que foi num orfanato.
O caso de Rubén Noé lembra o do transexual americano Thomas Beatie, que deu à luz sua primeira filha em 2008 e está grávido novamente. Segundo o espanhol, o motivo de tornar sua história pública seria e de derrubasr tabus sociais."Já é hora de as pessoas começarem a considerar normal uma gravidez de um transexual. O mundo está mudando, cada vez vão aparecer mais casos assim", disse.Sua namorada, a espanhola Esperanza Ruiz, 43 anos, é mãe de dois filhos de um relacionamento anterior. Rubén Noé pretende registrar os gêmeos em nome dos dois, sendo ele o pai. A sua única preocupação no momento é a saúde dos bebês, pois ele sofre de epilepsia, o que poderia ser um problema na hora do parto.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Advogada revela segredos de deputado: ‘Clô passou fome’

Fãs acompanham enterro!

Com terno branco de listras e gravata borboleta azul escura, o estilista e deputado federal Clodovil Hernandes (PR-SP) foi enterrado no Cemitério do Morumbi, em São Paulo, com a presença de cerca de 1.500 pessoas. Advogada e amiga de Clodovil, Maria Hebe Pereira de Queiroz, disse que ele enfrentava problemas financeiros e chegou a passar fome durante a campanha. O estilista morreu terça-feira, vítima de um acidente vascular cerebral (AVC).
Maria Hebe disse que há dois meses Clodovil terminou de pagar a vigésima e última parcela da dívida de aluguel e condomínio do apartamento onde vivia, na Rua República do Líbano, em São Paulo. A advogada contou que as dificuldades começaram após a demissão da Rede TV e que, na campanha para deputado, ele mal conseguia pagar contas.No velório, realizado na Assembléia Legislativa de São Paulo, Maria Hebe gritou com Ciro Moura, presidente do Partido Trabalhista Cristão (PTC). O PTC acusou Clodovil de infidelidade partidária, mas perdeu a ação na Justiça.
Aprovado projeto de lei do deputado
O testamento do deputado Clodovil Hernandes prevê a criação da Fundação Isabel, homenagem à sua mãe adotiva. Segundo a advogada de Clodovil, Maria Hebe Pereira de Queiroz, o objetivo é criar as Casas Clô, entidade que deverá abrigar e educar meninas órfãs. A CCJ do Senado aprovou projeto de lei de autoria de Clodovil que permite aos enteados adotarem os sobrenomes do pai e da mãe adotivos.

sábado, 14 de março de 2009

Terapia a preço popular


Projeto oferece tratamento contra as doenças psicossomáticas !
Dores nas costas, na cabeça, vômitos, além de doenças como artrite e diabetes. Sintomas que, para muitas pessoas, se tratam apenas de problemas clínicos podem esconder males como doenças psicossomáticas. Dados da Organização Mundial de Saúde apontam que cerca de 20% da população mundial são portadoras desse tipo de doença. No Brasil, o índice sobe para 32%. Para ajudar a identificar e curar esse tipo de enfermidade, o Projeto Você de Bem com a Vida realiza, de segunda a sexta-feira, inscrições para sessões de terapia com preços populares. A matrícula é feita por telefone e os atendimentos acontecem em cinco pólos: Tijuca, Jacarepaguá, Madureira, Santa Cruz e Pavuna. TRIAGEM DIA 30O tratamento, que tem a participação de 16 psicólogos, conta com sessões de terapia individual e em grupo, fisioterapia, além de workshops e orientação para a família dos pacientes. O projeto oferece 290 vagas e, no ato da inscrição, o paciente agenda a primeira consulta de avaliação individual. A triagem começa dia 30 de março e, em 5 de abril, os selecionados — pessoas que apresentaram doenças psicossomáticas ou depressão — participam da palestra inaugural. Sintomas de doenças físicasDe acordo com a psicóloga Fátima Marques, coordenadora do projeto, as doenças psicossomáticas ocorrem porque a pessoa ‘guarda’ sentimentos como raiva, medo e ansiedade. Segundo ela, o tratamento consiste em identificar e conhecer as sensações que estão prejudicando o paciente e equilibrar a eliminação das mesmas. “A pessoa não vai deixar de ter raiva, vai saber como lidar com ela”, explica.Fátima lembra que sintomas como tristeza, depressão e angústia, associados a dores e vômitos, sem justificativa clínica, podem ser doenças psicossomáticas. Outros indicativos são enfermidades como gastrite, lúpus, asma, e eczemas.Meses após perder a irmã mais nova, de forma inesperada, a secretária Ana Cláudia Fontes, 42 anos, começou a sentir dores nas costas e na cabeça. Pensando se tratar de um problema físico, procurou médicos, nenhuma doença foi detectada. Aconselhada por uma amiga, Ana Cláudia iniciou a terapia e conta que a decisão melhorou sua vida.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Sono de manhã é pior do que bebedeira, diz pesquisa

A capacidade de raciocínio pode ser melhor depois de uma noite em claro ou de uma bebedeira do que depois de uma boa noite de sono, de acordo com um estudo da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos.
A equipe liderada pelo professor Kenneth Wright descobriu que a capacidade mental dos pacientes é pior nos primeiros minutos depois de acordar.
Essa conclusão, publicada na revista especializada Journal of the American Medical Association desta semana, tem implicações diretas para pessoas que trabalham em turnos noturnos e aqueles que, como médicos, têm que realizar tarefas importantes pouco depois de acordar.
"Descobrimos que a capacidade cognitiva é pior logo depois de acordar do que depois de uma longa falta de sono. Por pouco tempo, pelo menos, os efeitos de sonolência podem ser tão ruins ou até piores do que os do estado alcoólico previsto por lei", disse Wright.
Os participantes do estudo passaram seis noites dormindo oito horas e ao acordar participavam de um teste que pedia que se somassem números de duas casas decimais gerados aleatoriamente.
Inércia
Os resultados deste teste indicaram que os maiores problemas de memória imediata, habilidades matemáticas e cognitivas eram causados pela sonolência nos três primeiros minutos depois de acordar.
Os efeitos mais graves da inércia do sono geralmente desaparecem em dez minutos, segundo a pesquisa, embora os efeitos dela possam ser detectados por até duas horas.
Nenhum dos nove voluntários tinha qualquer problema médico, psiquiátrico ou de sono, e nenhum deles usou álcool, nicotina, drogas ou cafeína durante o estudo.
Eles também passaram várias horas por dia exercitando-se nos testes de matemática usados para avaliar os efeitos da sonolência.
O professor Wright afirmou que médicos, bombeiros, motoristas de ambulância e funcionários de outros serviços de emergência podem estar correndo - e colocando outras pessoas - risco quando têm que entrar em ação minutos depois de acordar.
No entanto, o professor Neil Stanley, da Sociedade Britânica do Sono, afirmou que para alguns médicos, o importante não é o número de horas de sono, mas sim, quando eles podem dormir e acordar.
"Ninguém deveria fazer nada realmente importante de 15 a 30 minutos depois de acordar", disse o médico.
Stanley disse ainda que a transição do estado de sono para o estado de alerta é muito maior do que a que acontece entre estar acordado e manter-se acordado.
Fonte: BBC

domingo, 8 de março de 2009

Morte após erro médico


Equipe do Hospital Getúlio Vargas opera lado errado do cérebro de mulher que tinha coágulo.
Dois cirurgiões foram afastados do Hospital Getúlio Vargas, na Penha, por suspeita de erro médico: o chefe do Centro de Neurocirurgia, Thorkil Xavier de Brito, e o médico concursado em 2001 Pedro Ricardo Mendes. O procedimento se deve à morte, na madrugada de ontem, da dona-de-casa Verônica Cristina do Rêgo Barros, 31 anos, moradora de Irajá, depois de ela ter sido operada, equivocadamente, no lado direito do cérebro, quando o correto seria no esquerdo. Foram abertas três sindicâncias, uma feita pelo hospital, outra da Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil e a terceira pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj). O drama de Verônica começou na manhã de segunda-feira, quando ela caiu no banheiro e foi levada às pressas para o Hospital Getúlio Vargas por seu marido, Giovane de Matos Dorneles. Lá, foram feitos exames que apontaram urgência para intervenção cirúrgica no lado esquerdo do cérebro. Mas o cirurgião Pedro Ricardo Mendes realizou o procedimento no lado direito, onde não havia o coágulo. O suposto erro médico foi avisado à família em denúncia anônima feita por um dos integrantes da equipe de cirurgia. Parentes afirmaram que a “consciência do informante pesou”. Por isso, ele procurou direto a família em vez da diretoria do hospital.LAUDO APONTA ERROSegundo o prontuário médico, durante a operação, Verônica sofreu cinco paradas cardíacas. Quinta-feira, após a denúncia, a família comunicou à direção do hospital e a paciente passou por nova intervenção, comandada pelo mesmo médico que a operara na primeira vez para, enfim, retirar o coágulo do lado esquerdo. Mas ela não resistiu.Segundo o diretor do hospital, Cesar Fontes Rodrigues, o afastamento é necessário, mesmo antes da investigação proposta, porque o laudo médico já determinava o erro no procedimento: “Tudo aponta para um possível erro médico, mas expliquei aos familiares que, mesmo ocorrendo a cirurgia correta, a paciente teria poucas chances de viver”.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Sol de rachar faz o carioca suar a camisa


Calor acima da média, além de lotar praias, muda a rotina em escolas e até no Zoológico.
O ‘calor dos infernos’ dos últimos dias no Rio vem esquentando a cabeça dos cariocas. Embora acostumada ao sol forte de verão, a cidade está se adaptando para não sofrer tanto diante do tempo esturricante. Este ano, termômetros marcaram três graus acima da média de janeiro e fevereiro de 2008. Segundo o Climatempo, a diferença é que, desta vez, a baixa umidade do ar e, conseqüentemente, a pouca chuva aumentam a sensação de calor. Ontem, em Campos, fez 39 graus, a maior temperatura do ano no estado. O resultado? Clubes e praias lotados no meio da semana, crianças tomando banho nos intervalos das aulas e picos de energia em vários pontos da cidade.
Logo que chegam, alunos da Educação Infantil do Colégio da Imaculada Conceição, em Botafogo, ficam só de shortinho para suportar o calor. “Quando fui buscar minha neta, de 5 anos, vi todos seus coleguinhas só de shortinho. Ela me contou toda animada que tomou dois banhos. Achei a iniciativa excelente. Gostei da preocupação da escola com o bem-estar das crianças, porque está muito quente e os pequenos sentem ainda mais”, disse a pensionista Janine Andrade Aires de Oliveira, 62. Na escola da outra neta, em Niterói, o procedimento para enfrentar as altas temperaturas é o mesmo: chuveirada na criançada.
Já os meninos e meninas que estudam no Centro Educional Acalanto, também em Botafogo, têm o chuveirão e a sombra de uma grande Mangueira como aliados. “Pensamos em alternativas pedagógicas para mudar a rotina em função do calor. Levamos os alunos para o ar livre, contamos histórias debaixo da árvore e criamos o tempo do chuveirão. Eles brincam na água, assistem às aulas com roupas bem frescas e, dependendo da idade, ficam descalços”, explica a coordenadora pedagógica Ana Emília Ribeiro.
Até o dia-a-dia dos moradores do Zoológico do Rio mudou para enfrentar o calor de rachar que faz na cidade. Macacos, ursos e chimpanzés foram liberados de suas “dietas” para consumir coisas mais leves, como picolés, água-de-coco e frutas como abacaxi e melancia. Para os humanos, a indicação é a mesma, segundo a nutróloga Tamara Mazaracki: evitar comidas pesadas, como gorduras e frituras, e preferir alimentos que reponham água e minerais, perdidos com o excesso de suor”, ensina a especialista. A previsão é de calorão forte pelo menos até sexta-feira.
DICAS: VERÃO SEM ‘DOR’
Para quem vai à praia, evitar alimentos de produção caseira, como camarão e sanduíches. Prefira alimentos industrializados e embalados. Melhor mesmo, segundo a nutróloga Tamara Mazaracki, é levar seu sanduíche de casa, porque nessa época do ano os casos de intoxicação alimentar aumentam muito. O calor reduz a capacidade digestiva. Quem fica muito tempo em pé em conduções ou no trabalho tem mais propensão a ficar com as pernas inchadas, por reter líquido. Por isso, em épocas de calor, melhor evitar comidas muito salgadas, para não sobrecarregar os rins.Quem quer se prevenir deve ter sempre uma garrafinha de água na bolsa. Ela pode ser substituída por uma fruta que tenha bastante água e ajude na hidratação, como tangerina.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Alunos com visão nota 10

Doenças de vista em crianças prejudicam desempenho escolar e devem ser diagnosticadas cedo!

Falta de atenção, notas baixas e letras grandes e tortas. Os sinais, que parecem indicar desinteresse do aluno pela escola, podem na verdade estar escondendo problemas de visão. Cerca de 10% das crianças em idade escolar apresentam deficiência visual, segundo a Organização Mundial de Saúde. Detectar o problema ainda na infância é fundamental para garantir o bom aprendizado dos pequenos e evitar lesões mais graves no futuro, alertam especialistas.De acordo com a oftalmologista Andréa Lima Barbosa, pais e professores devem ficar atentos a atitudes como franzir a testa ao ler e dificuldade para visualizar o quadro-negro, entre outras. Elas podem ser indícios de miopia, astigmatismo ou hipermetropia — doenças visuais que mais afetam meninos e meninas. “As crianças não sabem expressar a dificuldade de enxergar, por isso cabe aos pais e professores ficarem atentos e realizarem exames periódicos”, declara a médica. Andréa explica que doenças diagnosticadas até os 10 anos de idade — fase em que a visão está totalmente formada — evitam a ambliopia, mal que causa o desenvolvimento desigual das vistas, podendo causar, inclusive, a perda da visão em um dos olhos. Segundo a especialista, o uso de óculos permite o desenvolvimento saudável da vista e ajuda a criança nos estudos. “Os óculos devem se ajustar às orelhas, ser apropriados para a idade e manter os olhos centralizados nas lentes. É fundamental o apoio dos pais para que a criança aceite o tratamento”.Giovanna Barbosa Samary, 4 anos, começou a usar óculos há cerca de um mês. Segundo seu pai, Anderson Samary Soares, 35, ela dizia ver os objetos embaçados e que tinha dificuldades de visualizar o que a professora escrevia no quadro. Com já há casos de miopia precoce na família, o economista resolveu levar a filha ao oftalmologista para exames.“Minha esposa usa óculos desde os 5 anos de idade, por isso fiquei desconfiado. Minha filha ficou um pouco resistente para usar os óculos, mas compramos uma armação rosa e tentamos negociar o tempo de uso”, ensina.